Carneiro Portela O Poeta Popular De Coreaú

News3

Essa busca por nomes que amam, lutam e representam a nossa boa Cultura Popular Nordestina é uma tarefa gratificante, pois, dá oportunidade de conhecer trabalhos maravilhosos de grandes gênios, gênios nossos. Foi em uma dessas pesquisas que conheci o trabalho do poeta Carneiro Portela. Poesias sensacionais que trouxe, um pouco, para você que também gosta dessa nossa Nordestinidade.
Hoje o "A Arte Do Meu Povo" homenageia o Poeta Carneiro Portela.


No site   https://cearacultural.com.br/literatura/carneiro-portela.htmlencontrei as seguintes palavras sobre Carneiro Portela:

Antonio Carneiro Portela televisão, pesquisador e poeta cearense. Cursou a Universidade Estadual do Ceará, com ênfase em Literatura e Língua Portuguesa.

Começou sua carreira no fim dos anos 70 na Rádio Assunção AM onde apresentava o programa "Forrozão da Assunção" e TV Ceará apresentando (ao vivo) o programa Ceará Caboclo, posteriormente, foi para a Rádio Verdes Mares AM saindo mais tarde da TV Ceará e ingressando na TV Diário (também pertencente ao Grupo Edson Queiroz) com o programa (gravado) “Nordeste Caboclo”, programa característico por apresentar trabalhos de artistas de origem nordestina, como poesia sertaneja, cantoria de viola e música cabocla, dando ênfase à essência da cultura popular nordestina.

Paralelo aos seus programas na TV e no rádio, Carneiro Portela escreveu mais de 30 livros de poesia. É membro fundador da Associação dos Escritores Profissionais do Estado do Ceará, da UBT (União Brasileira dos Trovadores) e sócio efetivo da ACI (Associação Cearense de Imprensa) e da ACEJI (Associação Cearense de Jornalistas do Interior).

Clube dos Poetas Cearenses – agremiação de jovens que se reuniam aos sábados. Foi ali que diversos jovens – com talento para as letras – iniciaram, e hoje figuram na lista dos principais autores da literatura cearense. Dentre os jovens idealistas que frequentavam a Casa, destacam-se – Carneiro Portela, Márcio Catunda, Vicente Freitas, Guaracy Rodrigues, Mário Gomes, Stênio Freitas, Ivonildo Oliveira, Aluísio Gurgel do Amaral Júnior, Costa Senna, entre outros. A escritora Nenzinha Galeno, neta do ilustre poeta Juvenal Galeno, era uma das maiores incentivadores desse movimento sociocultural.

Atualmente, Carneiro Portela, trabalha na TV Diário e Rádio Verdes Mares AM. Em ambas as emissoras, apresenta o programa “Nordeste Caboclo”.”

Uma pequena amostra da obra do Mestre:




SE O NORDESTE QUISESSE
ERA TUDO DIFERENTE...

No Brasil se o o Nordeste
quisesse viver mió
botava voz no gogó
de todo cabra da peste
e saía pelo agreste
prefumando o ambiente
pois todo cabra valente
a sua bravura conhece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

Bastava o povo querer
que fosse mais respeitado
que os deveres do Estado
fossem mesmo pra valer
e acabassem o padecer
do povo que chora e sente
para um povo independente
sujeito, não risque o ?s?
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

No Brasil onde a ciência
é posta em segundo plano
nosso povo a cada ano
perde a sua inteligência
político sem decência
pois não fala francamente
mas o povo certamente
eu sei que nunca esmorece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

No País do futebol,
novela, sonho e burrice
foi isso qui mãe me disse
em manhãs claras de sol
não se cala o rouxinol
que canta lá na vertente
qual trabalha persistente
do fio que a aranha tece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

Se o nordestino não fosse
um povo bom e pacato
garanto, quebrava o prato
que mandam cheio de doce
maldizia alguém que trouxe
miséria e mágoa somente
se em fevereiro é contente
para que esquecer da prece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

Eu tenho pena do povo
que luta para viver
no país onde o PC
roubou e rouba de novo
vendo a mãe partir um ovo
pra quatro ou cinco vivente
e a fome dos inocente
é tanta quando adormece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

Acredito no sertão
qui é terra de cabra macho
pois nas águas do riacho
corre o sangue da canção
embora lhe falte o pão
para ser sobrevivente
é amigo, bravo e decente
é forte, quando padece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

Se meu nordeste lutasse
por dias de glória e paz
nosso povo nunca mais
tirava o riso da face
se toda esperança nasce
vou sorrir alegremente
só no plantar da semente
eu conheço se ela cresce
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.


E Viva A ARTE DO MEU POVO!

Deixe seu comentário