O Saudoso Louro Branco

News3

O A ARTE DO MEU POVO rende homenagem a um dos maiores repentistas que esse mundo já viu. Orgulho da classe e do Nordeste Poético. Estou falando de Francisco Maia de Queiroz, mais conhecido por Louro Branco.

O Poeta nos deixou em janeiro de 2018 e criou uma lacuna na canturia de repente dificil de ser preenchida.

Na nossa pesquisa sobre Louro, encontramos algumas informações e escolhemos duas fontes, mas existem outras. Se você ficar curioso e com vontade de obter mais informações sobre o nosso Poeta, pode buscar no google mesmo, que encontrará.

As primeiras informações que aprsentamos foram econtradas no site http://cantigasecantos.blogspot.com/2013/04/poesia-louro-branco-grande-humorista-da.html:

Francisco Maia de Queiroz, o popular Louro Branco, Poeta, repentista e compositor, nasceu dia 02 de Setembro de 1943 na Vila Feiticeiro no município de Jaguaribe - CE. Foi pescador, agricultor e vendedor ambulante. Começou a cantar aos 12 anos de idade, morou nas seguintes cidades: Jaguaribe – CE, Jaguaretama –CE, Coronel João Pessoa – RN, Limoeiro do Norte – CE, Mossoró – RN, Iguatú – CE, Caicó – RN, e atualmente em Santa Cruz do Capibaribe onde mora desde 1991, e aonde pretende permanecer.

Cantou em vinte estados do Brasil, com todos os maiores cantadores do Nordeste, participou em mais de 400 festivais, tem ao todo mais de 700 composições, condecorado como o maior cantador do Brasil, titulo dado pelo famoso poeta compositor e presidente da Classe, o baiano* Rodolfo Coelho Cavalcante.

Chegou a cantar para o ex-presidente José Sanei, publicou dois livros, 1º: A Natureza Falando, e 2º: Da Casca Até o Miolo, e está partindo para seu 3º livro.

Casado com Maria Gomes de Souza Queiroz, 6 filhos e 11 netos. [...]

Já o site http://www.blogdoneylima.com.br/cultura/despedida-simples-poeta-e-cantaador-louro-branco-e-sepultado-em-santa-cruz nos traz essas:

Francisco Maia de Queiroz, o popular “Louro Branco” foi poeta, cantador e repentista natural de Jaguaribe (CE), residia em Santa Cruz Capibaribe-PE desde 1991 e, ao longo de sua carreira, foi autor de mais de 700 composições, chegando inclusive a compor uma música para a dupla Zezé di Camargo & Luciano, além de ter escrito dois livros: “A natureza falando” e “Da casca até o miolo”.

Conhecido pelo jeito simples, era considerado um dos principais cantadores do Nordeste, tendo conquistado diversos prêmios, inclusive o de melhor cantador do país. Levou também sua poesia e arte no improviso para vários estados brasileiros, prestando grande contribuição na cultura popular.

O artista foi um dos que receberam o título de cidadão santa-cruzense, honraria máxima do município, por seus feitos prestados em prol da cultura popular. A homenagem foi um pedido do vereador Ronaldo Pacas (PR) e aprovada por unanimidade no legislativo local. Louro Branco, quando ainda estava com saúde, fazia diversas apresentações, muitas delas em eventos e feiras livres de Santa Cruz e região. A última delas foi na noite dedicada aos violeiros, no São João da Moda 2017.



O artista cearense, mas santa-cruzense por reconhecimento, faleceu no final da tarde da quarta-feira, 17 de janeiro de 2018, na cidade de Caruaru, depois de quase dois meses de internamento no Hospital Mestre Vitalino.

O velório foi realizado no Teatro Municipal e foi marcado por diversas homenagens prestadas ao longo do dia, sendo a última delas, antes da saída do corpo, feita por repentistas e violeiros. De acordo com amigos, a última apresentação do artista aconteceu justamente na terra em que ele adotou como lar desde 1991, sendo esta realizada na edição 2017 do São João da Moda e na tarde da sexta-feira, 19 de janeiro de 2018, foi sepultado, em Santa Cruz do Capibaribe, o corpo do poeta, repentista e cantador .”

Versos de Louro Branco:


Cantador como eu ninguém num fez
Deus deixou pra mandar muito depois
Que se cabra for grande eu dou em dois
E se o cabra for médio eu dou em três
E se for bem pequeno eu dou em seis
Que a minha riqueza é bem total
Cantador como eu não nasce igual
Que ou nasçe mais baixo sou mais estreito
Repentista só canta do meu jeito
Se for fora de série ou genial.

Acho bonito o inverno
Quando o rio está de nado
Que o sapo faz oi aqui
Outro oi do outro lado
Parece dois cantadores
Cantando mourão voltado.


Deixe seu comentário