Poeta Otacílio Um Dos Gênios Dos Batista

News3

É muita gente boa que o Brasil tem a obrigação de conhecer e reverenciar, são pessoas que viveram e vivem para mostrar como é bom e belo ser brasileiro. Por isso, humildemente, o ”A Arte Do Meu Povo” do nosso OxeOxente.Com.Br está aqui.

Hoje é com honra que homenageamos um dos grandes poetas brasileiros, Otacílio Batista, e claro que não sou só eu que digo isso, quem conhece a arte de Otacílio sabe disso, até o poeta Manoel Bandeira reconheceu o valor dele e de seus irmãos.

Então, pra você um pouco de Otacílio Batista...

Pra começar o site http://poemia.wordpress.com/2008/08/04/otacilio-batista-patriota-biografia/ trás essa bela biografia do Poeta.

Otacílio Batista Patriota - Poeta repentista, o mais novo dos três famosos irmãos Batista (além dele, Louro e Dimas), Otacílio Batista Patriota nasceu a 26 de setembro de 1923, na Vila Umburanas, São José do Egito, sertão pernambucano do Alto Pajeú.
Filho de Raimundo Joaquim Patriota e Severina Guedes Patriota, ambos paraibanos, Otacílio participou pela primeira vez de uma cantoria em 1940, durante uma Festa de Reis em sua cidade natal. Daquele dia em diante, nunca mais abandonaria a vida de poeta popular.
Em mais de meio século de repentes, participou de cantorias com celebridades como o Cego Aderaldo e outros. Conquistou vários festivais de cantadores realizados nos estado de Pernambuco, Ceará, Rio de Janeiro e São Paulo.
Entre os folhetos de Cordel que Otacílio publicou estão os seguintes: A Morte do Ex-Governador Dix-Sept Rosado; Versos a Câmara Cascudo; Peleja de Zé Limeira com Zé Mandioca; Peleja do Imperador Pedro II com o Rei Pelé. Todos consagrados junto aos leitores nordestinos.
Otacílio Batista publicou, ainda, vários livros. Entre os quais, destacam-se: Poemas que o Povo Pede; Rir Até Cair de Costas; Poema e Canções; e Antologia Ilustrada dos Cantadores, este último com F. Linhares. Versos de Otacílio foram musicados pelo compositor Zé Ramalho, dando origem à canção “Mulher Nova Bonita e Carinhosa”, gravada inicialmente pela cantora Amelinha e depois pelo próprio Zé Ramalho. A canção foi tema de uma filme brasileiro sobre Lampião, o Rei do Cangaço.
Otacílio Batista Patriota morreu a 05 de agosto de 2003, na cidade de João Pessoa, Paraíba."

Aqui, dois dos belos trabalhos do Poeta Otacílio Batista...


MULHER NOVA, BONITA E CARINHOSA
FAZ O HOMEM GEMER SEM SENTIR DOR
Otacílio Batista
(1923 São José do Egito/PE - 2003 João Pessoa/PB)

Numa luta de gregos e troianos
Por Helena, a mulher de Menelau,
Conta a história de um cavalo de pau
Terminava uma guerra de dez anos
Menelau, o maior dos espartanos
Venceu Páris, o grande sedutor,
Humilhando a família de Heitor
Em defesa da honra caprichosa.
Mulher nova, bonita e carinhosa
Faz o homem gemer sem sentir dor.

Alexandre figura desumana,
Fundador da famosa Alexandria
Conquistava na Grécia e destruía
Quase toda a população tebana,
A beleza atrativa de Roxana
Dominava o maior conquistador;
E depois de vencê-la, o vencedor
Entregou-se à pagã mais que formosa!
Mulher nova bonita e carinhosa
Faz um homem gemer sem sentir dor.

A mulher tem na face dois brilhantes,
Condutores fiéis do seu destino;
Quem não ama o sorriso feminino
Desconhece a poesia de Cervantes,
A bravura dos grandes navegantes,
Enfrentando a procela em seu furor,
Se não fosse a mulher, mimosa flor,
A história seria mentirosa!
Mulher nova, bonita e carinhosa
Faz o homem gemer sem sentir dor.

Virgulino Ferreira, o Lampião
Bandoleiro das selvas nordestinas,
Sem temer a perigo nem ruínas,
Foi o rei do cangaço no sertão;
Mas um dia sentiu no coração,
O feitiço atrativo do amor;
A mulata da terra do condor
Dominava uma fera perigosa!
Mulher nova, bonita e carinhosa
Faz o homem gemer sem sentir dor

Na velhice, o sujeito nada faz...
A não ser uma igreja que visita;
Mas, se acaso encontrar mulher bonita,
Ele troca Jesus por Satanás;
Pensa logo no tempo de rapaz,
Diz pra ela: "Me ame, por favor"
A reposta que vem : "é não Senhor
Sua idade passou, deixe de prosa".
Mulher nova, bonita e carinhosa
Faz o homem gemer sem sentir dor


COISAS DO SERTÃO
Otacílio Batista
(1923 São José do Egito/PE - 2003 João Pessoa/PB)

Ao romper da madrugada,
um vento manso desliza,
mais tarde ao sopro da brisa,
sai voando a passarada.
Uma tocha avermelhada
aparece lentamente,
na janela do nascente,
saudando o romper da aurora,
no sertão que a gente mora
mora o coração da gente.

O cantador violeiro
longe da terra querida,
sente um vazio na vida,
tornando prisioneiro,
olha o pinho companheiro,
aí começa a tocar,
tem vontade de cantar,
mas lhe falta inspiração.
Que a saudade do sertão
faz o poeta chorar.



E Viva "A ARTE DO MEU POVO!"


Deixe seu comentário